terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Atividades com o Nome Próprio para Educação Infantil



Nome Próprio
As atividades permitem aos 
alunos as seguintes aprendizagens:

  • Diferenciar letras e desenhos;
  • Diferenciar letras e números;
  • Diferenciar letras, umas das outras;
  • A quantidade de letras usadas para escrever cada nome;
  • Função da escrita dos nomes: para marcar trabalhos, identificar materiais, registrar a presença na sala de aula (função de memória da escrita) etc;
  • Orientação da escrita: da esquerda para a direita;
  • Que se escreve para resolver alguns problemas práticos;
  • O nome das letras;
  • Um amplo repertório de letras (a diversidade e a quantidade de nomes numa mesma sala);
  • Habilidades grafo-motoras;
  • Uma fonte de consulta para escrever outras palavras.


O nome próprio tem uma característica: é fixo, sempre igual. Uma vez aprendido, mesmo o aluno com hipóteses não alfabéticas sobre a escrita não escreve seu próprio nome segundo suas suposições, mas, sim, respeitando as restrições do modelo apresentado.

Uma proposta significativa de alfabetização, aquela que visa formar leitores e escritores, e não mero decifradores do sistema, não pode pensar em atividades para nível 1, nível 2, nível 3...

  • É preciso considerar:
  • Os conhecimentos prévios dos alunos.
  • O grau de habilidade no uso do sistema alfabético.
  • As características concretas do grupo.
  • As diferenças individuais.
  • Seqüência de atividades 

1. Selecione situações em que se faz necessário escrever e ler nomes. Alguns exemplos:
Escrever o nome de colegas para identificar papéis, cadernos, desenhos (pedir que os alunos distribuam tentando ler os nomes).
Lista de chamada da classe.
Ler cartões com nomes para saber em que lugar cada um deve sentar; para saber, quem são os ajudantes do dia, etc.
2. Peça a leitura e interpretação de nomes escritos.
3. Prepare oralmente a escrita: discuta com as crianças, se necessário, qual o nome a ser escrito dependendo da situação. Se for para identificar material do aluno, use etiquetas; para lista de chamada use papel sulfite ou papel craft.
4. Seja bem claro nas recomendações: explicite o que deverá ser escrito, onde fazê-lo e como, que tipo de letra usar, etc 5. Peça a escrita dos nomes: com e sem modelo.

Ao final das atividades, o aluno deve:

  • Reconhecer as situações onde faz sentido utilizar nomes próprios: para etiquetar materiais, identificar pertences, registrar a presença em sala de aula (chamada), organizar listas de trabalho e brincadeiras, etc.
  • Identificar a escrita do próprio nome. · Escrever com e sem modelo o próprio nome.
  • Ampliar o repertório de conhecimento de letras.
  • Interpretar as escritas dos nomes dos colegas da turma.
  • Utilizar o conhecimento sobre o próprio nome e o alheio para resolver outros problemas de escrita, tais como: quantas letras usar, quais letras, ordem da letras etc e interpretação de escritas.


Cada tipo de atividade exige uma determinada organização:

  • Atividades de identificação das situações de uso dos nomes: trabalho com a sala toda.
  • Identificação do próprio nome: individual.
  • Identificação de outros nomes: sala toda ou pequenos grupos.
  • Identificação de situações onde se faz necessário escrever e ler nomes


Aproveite todas as situações para problematizar a necessidade de escrever nomes.


  • Situação 1- Recolhendo material: Questione os alunos como se pode fazer para que se saiba a quem pertence cada material. Ouça as sugestões. Distribua etiquetas para os alunos e peça que cada um escreva seu nome na sua presença. Chame atenção para as letras usadas, a direção da escrita, a quantidade de letras, etc. 
  • Situação 2 - Construindo um crachá: Questione os alunos como os professores podem fazer para saber o nome de todos os alunos nos primeiros dias de aula. Ajude-os a concluir sobre a função do uso de crachás. Distribua cartões com a escrita do nome de cada um que deverá ser copiado nos crachás. Priorize neste momento a escrita com a letra de imprensa maiúscula (mais fácil de reprodução pelo aluno). Solicite o uso do crachá diariamente. 
  • Situação 3 - Fazendo a chamada: Lance para a classe o problema: como podemos fazer para não esquecer quem falta na aula? 
  • Observações: todas essas situações e outras têm como objetivo que os alunos recorram à escrita dos nomes como solução para problemas práticos do cotidiano.


Identificação do próprio nome


  • Dê para cada aluno um cartão com o nome do aluno.
  • Apresente uma lista com todos os nomes da classe. Escreva todos os nomes com letra de imprensa maiúscula. Este tipo de letra é mais fácil para o aluno grafar e os limites de uma letra (quando a criança deve contar o número de letras) é mais observável.
  • Peça que localizem na lista da sala o próprio nome. O cartaz com essa lista pode ser grande e ser fixado em local visível.
  • Peça para cada um montar o próprio nome, usando letras móveis (que podem ser adquiridas ou confeccionadas). Inicialmente realize esta atividade a partir de um modelo (crachá com o nome) e depois sem modelo, usando o modelo para conferir a escrita produzida. Identificação de outros nomes da classe
  • Apresente uma lista com os nomes das crianças da classe. 


Cada aluno poderá receber uma lista impressa ou colocar na classe uma lista grande confeccionada em papel craft. Você poderá, também, usar as duas listas: as individuais e a coletiva.

Atividade 1- Ditado
Dite um nome da lista. Cada aluno deverá encontrá-lo na lista que tem em mãos e circulá-lo. Em seguida, peça a um aluno que escreva aquele nome na lousa. Peça aos alunos que confiram se circularam o nome certo.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...